Bomba: Polícia Ambiental atende ocorrência após Presidente da Câmara de Canavieiras ser acusado de mandar quebrar cerca e invadir propriedade particular para retirada ilegal de minério. (CONFIRA FOTOS, DOCUMENTOS e ÁUDIO)

Um Áudio, aparentemente intimidador, circula nas redes sociais e é atribuído ao vereador, Cleri Santos (PROS), atual presidente da Câmara. Na mensagem, um recado desaforado é enviado para um trabalhador do senhor Luís Guge Santos Fernandes, suposto proprietário da terra. Em tom autoritário é dito: “Leleco boa tarde, eu tentei falar com seu patrão ontem, ele não me atendeu, liguei de outro telefone, ele atendeu, falou que estava em uma reunião e retornava depois e não retornou, a gente “tá” tentando resolver no diálogo, e o serviço ai vai começar amanhã, pode avisar que amanhã as máquinas vão começar a trabalhar ai, aí ele reclama na justiça, onde ele achar melhor, necessário”.

Áudio do Presidente da Câmara de Vereadores, Clery Santos

Ao tomar conhecimento das intenções do fiel escudeiro do prefeito, Clóvis Roberto Almeida (PROS), o senhor Luís prontamente rechaçou a ideia e mesmo com sua negativa, segundo ele, teve sua propriedade invadida, após as máquinas que prestam serviços para prefeitura arrebentarem os arames da cerca da fazenda.

Em um e-mail enviado a Polícia Ambiental, Gagé, denuncia a retirada ilegal de cascalho, mesmo sem sua autorização, afirma ser o dono das terras, apresenta documentos de posse da área, avisa que adotou as providências cabíveis na delegacia local e solicitou investigação para apontar o culpado pelo esbulho na propriedade. Documentos em slides:

A Polícia Ambiental se dirigiu ao local após a denúncia, constatou a veracidade dos fatos, indagou o operador da máquina, ouvindo dele, que era empregado da empresa ERT e que a mesma estava a serviço da prefeitura municipal de Canavieiras. Diante da falta de documentação necessária para legalidade da extração do minério, o operador foi conduzido até a delegacia de proteção ambiental com base no artigo 44 da lei de crimes ambientais. Veja as fotos:

Os fatos curiosos de toda essa ação são: Com que autoridade o Vereador Cleri Santos determina as atividades da secretaria de obras do Município? É papel do Presidente da Câmara comandar as ações das secretarias da cidade? É legal o senhor cleri, que não faz parte do quadro de funcionários da prefeitura, dá ordens e decidir onde e como será executada uma obra? Cleri como vereador não deveria primar pela legalidade?

A secretaria de obras do município tem histórico de polêmicas e já foi associada a um áudio onde uma voz de origem desconhecida afirma ter um esquema de porcentagem numa suposta venda de areia da prefeitura.

É preciso lembrar que o prefeito recentemente chamou um grupo de agricultor de fora da lei por, de acordo versão dele, construírem uma ponte sem licença ambiental. Agora com a suposta retirada ilegal de cascalho, autuada pela polícia ambiental, quem é mesmo o fora da lei Prefeito?

Compartilhe