Canavieiras: Repúdios e muita cobrança contra o Prefeito foram os principais momentos dos vereadores na última Sessão. (Vejam os vídeos)

A Sessão da Câmara de Vereadores de Canavieiras de terça-feira, 11 de agosto, foi marcada por reivindicações, críticas, cobranças, esclarecimentos, suspeitas e questionamentos sobre a forma de governar do Prefeito Clóvis Roberto Almeida (PROS).

O Vereador Cacá Guimarães (PDT) usou a tribuna para cobrar atividade da gestão municipal, criticou os constantes cortes de verbas destinadas ao Interior e Agricultura e lembrou que o prefeito ainda não tem uma marca, uma grande obra ao colocar: “Vossa Excelência Senhor Prefeito está sem uma marca de uma grande obra em Canavieiras… Eu me lembro que existem duas marcas de obras em Canavieiras… Com recursos próprios existem duas marcas em Canavieiras: O Centro Médico do saudoso Otoniel e o Velório Municipal do ex-prefeito Zairo. São Obras de Importância”.

Vereador Cacá Guimarães (PDT) fala em tribuna sobre legado deixado pelo saudoso ex-prefeito Otoniel Cassimiro e também por Zairo Loureiro.

No púlpito, Roni da Pescan (PROS) usou um pedaço de seu tempo para rebater recentes insinuações do prefeito sobre quem faz doações de cesta básicas, registra e posta em redes sociais. Segundo o vereador a indireta foi para ele e então rebateu: “Quantas vezes for preciso, que for relacionado o meu nome, a minha pessoa, em live do gestor, estarei aqui também novamente me expressando nessa tribuna, pois ele fala na live, eu falo na tribuna, então venho aqui novamente, fui citado pelo gestor em sua live na quarta-feira, sobre questões da cesta básica, ele citou que tinha vereador que doava cesta básica e tirava foto, aquela mensagem eu sei que foi pra mim, realmente tiro, compro cesta básica com meu salário e faço doação por conta própria, ao menos tenho cuidado de tapar os rostos das pessoas para não expor ninguém, não vejo problema nisso, ele faz o contrário, entrega cesta básica com dinheiro público e expõe as pessoas, então o que ele falou… Foi pra ele mesmo”.  Mais adiante finaliza: “Deixo aqui o meu repúdio sobres as polêmicas lives e essas insinuações que ele faz a vários representantes dessa casa”.

Vereador Roni da Pescan (PROS) rebate críticas do prefeito a sua ação de caridade mensal.

Indignado,  Cleonildo (PROS) criticou a ação do governo em mandar carta aos funcionários, segundo ele, em tom de ameaça sobre a aplicação do Plano de Desligamento Voluntário (PDV). O vereador então desabafou: ”Eu fiz um projeto aqui que ele sancionou, o PDV, agora Ele coloca um ofício dizendo que quem não aderir ao PDV, irá ser demitido, espera ai gente, é Programa Desligamento Voluntário, uma carta ameaçando as pessoas, as pessoas chegam chorando, pra pegar documentação. Pera aí. É uma lei? É uma lei. Mas é voluntário, vai quem quer…..Não te obriga a se aposentar…não força ninguém a se aposentar, é voluntário como fala a própria lei. Fica aqui o meu repúdio”.

Vereador Cleonildo (PROS) reclama de abordagem da gestão com os funcionários públicos.

Já a legisladora Isa Ramalho (PP) respondeu ao prefeito da seguinte forma: “Não assisto Live do Prefeito… Mas as pessoas quando ouvem, várias me ligaram e mandaram um trecho de quando o prefeito se referiu a mim. É feio Prefeito alegar o que faz. Primeiro que o senhor não prestou serviço nenhum a minha pessoa, por sinal no dia que fui ao hospital para ser atendida, demorou muito, eu estava agoniada, fui embora. O senhor atendeu, fez parto de duas pessoas que eu estava acompanhando, mas porque o senhor é médico, tem obrigação de prestar esse serviço, já que o senhor, como prefeito, não contratou o profissional. O senhor falou também que na gestão antes da sua o Hospital não tina água, não tinha nada….Não tenho nada com isso, Não trabalhava lá, eu trabalhava numa instituição que eu dei conta do meu serviço”.

Vereadora Isa Ramalho (PP) se defende de ataques do prefeito em live recente.

Lescepis (PTB) em seu pronunciamento citou a Live promovida pela APLB para questionar o estado dos colégios, explicando que já se gastou mais de meio milhão só de material de construção em 2020: “Não sei se os senhores assistiram a Live que a APLB promoveu na última sexta-feira… Foi uma aula, questionaram porque razão as aulas presenciais não vão começar esse ano. O prefeito já declarou que não teremos no nosso município, somente em 2022 porque os colégios estão em estado lastimável. Se esses colégios no ano passado, só de material de construção em um só fornecedor foram gastos 700 mil reais… Só na reforma dos colégios do ano passado que não teve aula. Em 2019 foi gasto uma fábula, a empresa LUXO fez reforma numa série de colégios e no ano seguinte não teve aula, como que essas escolas se desgastaram tanto assim? ”. Indagou o Edil.

Vereador Lescepis Rocha fala dos altos gastos com reformas de prédios sem uso a mais de 01 ano.

O Vereador Cosminho (PP) lembrou das cobranças e pedidos não atendidos ao falar: “Precisamos que sejam feitas as coisas com prioridade e uma das coisas que a gente tem cobrado bastante… a operação tapa buraco que nós não estamos vendo, isso ai a gente vem cobrando por várias vezes, e vamos estar continuar cobrando que é nosso trabalho… Algumas pessoas  dizem que a gente está só cobrando, tipo secando gelo, que ninguém consegue secar gelo, mas vamos sempre bater nessa tecla”. Ressaltou demonstrando que mesmo não vendo ações da gestão, não irá parar de cobrar providências que melhorem a qualidade e vida do povo.

Vereador Cosminho (PP) cobra operação tapa buracos.

Após ressaltar que Executivo precisa mais de Legislativo que o contrário, o experiente Roque Alves (MDB) também reforçou o discurso da necessidade de uma grande obra, além de se manifestar contra a tomada do prédio da Secretaria de Educação para virar sede da Câmara ao dizer: “Nós precisamos de uma grande Obra, como ele falou na sede da Câmara, antes eu queria que fosse aqui (SEMED), mas não se descobre um santo para cobrir outro, como se diz no linguajar popular, a Secretaria está bem estabilizada aí”. Com esse posicionamento o Vereador se junta aos colegas: Isa, Lescepis e Cosminho na defesa para que o executivo não se apodere do prédio da referida secretaria.

Roque Alves (MDB) em seu discurso na câmara.
Compartilhe